Reitoria N. Senhora das Graças

 

Horários:

Missas na Capela do Carmo -

 

 Segunda a Sexta - 18hs

 Sábados - 17hs 

 Domingos - 09hs

 

Obs: Todo dia 27 de cada mês - 18hs

(Novena Perpétua da Medalha Milagrosa)

 

Adoração ao Santissimo Sacramento toda

primeira sexta-feira de cada mês.

 

 

((

 

 

 

Instituto GoiaProjeto Visitar
O Convento de Nossa Senhora do Monte do Carmo fundado em 1682 por padres carmelitas, era formado pelo convento propriamente dito, pela Igreja de Nossa Senhora do Monte do Carmo e pela Capela da Ordem Terceira, todos em estilo colonial, com linhas barrocas.

A Igreja conventual, possuiu ao longo de sua história, várias padroeiras: inicialmente N. S. do Monte do Carmo, passando para N. S. Auxiliadora e atualmente N. S. das Graças, também conhecida como N. S. da Medalha Milagrosa. A proibição dos noviciados religiosos, ocorria ainda no século XVIII, fez com que o Convento do Carmo ficasse completamente abandonado em 1877, entrando em decadência. Nessa época, o prédio do convento foi assumido pelo governo, sendo utilizado em várias funções, inclusive a de quartel militar.

Apenas em 1896, com a criação do bispado do Espírito Santo, o Convento do Carmo retornou para a administração da Igreja Católica. O primeiro Bispo do Espírito, Dom João Batista Correia Nery, criou então colégios para ocupar o edifício: o Ateneu Diocesano, que acabou sendo transferido para o Convento da Penha, e o Colégio de Nossa Senhora Auxiliadora, que perdurou até a década de 1960.

Em 1913, reformou-se também a velha igreja conventual, que recebeu roupagem eclética com influências do estilo gótico a Capela da Ordem Terceira, que ficava ao lado da igreja, foi destruída. Todas essas obras foram de responsabilidade do construtor André Carloni. O Colégio foi agraciado pelo constante apoio do bispo Dom Fernando de Souza Monteiro. No ano de 1910, sob sua direção, o convento passou por uma ampla reforma, onde lhe foi acrescentado um novo andar. Com sua morte, em 1916, o bispo foi enterrado no presbitério da igreja.

No Carmo de Vitória não residiam muitos frades, consequentemente, o número destes diminuía a cada ano, chegando até 1855 com apenas um carmelita, o frei Antonio das Neves, capixaba, que faleceu em 1871. Esse frei, ao dar mais importância à fazenda que a ordem possuía em Cariacica (Piranema), praticamente abandonou o convento. No diário da visita do imperador D. Pedro II ao Espírito Santo em 1860, consta uma referência à Capela da Ordem Terceira, considerada pelo monarca como uma das mais bonitas que havia visitado.

Em 1984, a fachada do conjunto foi tombada pelo Conselho Estadual de Cultura. A igreja continua celebrando cultos e a antiga residência, totalmente descaracterizada, abriga atualmente a escola municipal São Vicente de Paulo. No local da antiga capelinha funcionou parte do seminário arquidiocesano hoje casa central dos Milicianos de Cristo (ramo masculino).



A Igreja conventual, possuiu ao longo de sua história, várias padroeiras: inicialmente N. S. do Monte do Carmo, passando para N. S. Auxiliadora e atualmente N. S. das Graças, também conhecida como N. S. da Medalha Milagrosa. A proibição dos noviciados religiosos, ocorria ainda no século XVIII, fez com que o Convento do Carmo ficasse completamente abandonado em 1877, entrando em decadência. Nessa época, o prédio do convento foi assumido pelo governo, sendo utilizado em várias funções, inclusive a de quartel militar.


Apenas em 1896, com a criação do bispado do Espírito Santo, o Convento do Carmo retornou para a administração da Igreja Católica. O primeiro Bispo do Espírito, Dom João Batista Correia Nery, criou então colégios para ocupar o edifício: o Ateneu Diocesano, que acabou sendo transferido para o Convento da Penha, e o Colégio de Nossa Senhora Auxiliadora, que perdurou até a década de 1960.


Em 1913, reformou-se também a velha igreja conventual, que recebeu roupagem eclética com influências do estilo gótico a Capela da Ordem Terceira, que ficava ao lado da igreja, foi destruída. Todas essas obras foram de responsabilidade do construtor André Carloni. O Colégio foi agraciado pelo constante apoio do bispo Dom Fernando de Souza Monteiro. No ano de 1910, sob sua direção, o convento passou por uma ampla reforma, onde lhe foi acrescentado um novo andar. Com sua morte, em 1916, o bispo foi enterrado no presbitério da igreja.


No Carmo de Vitória não residiam muitos frades, consequentemente, o número destes diminuía a cada ano, chegando até 1855 com apenas um carmelita, o frei Antonio das Neves, capixaba, que faleceu em 1871. Esse frei, ao dar mais importância à fazenda que a ordem possuía em Cariacica (Piranema), praticamente abandonou o convento. No diário da visita do imperador D. Pedro II ao Espírito Santo em 1860, consta uma referência à Capela da Ordem Terceira, considerada pelo monarca como uma das mais bonitas que havia visitado.

Em 1984, a fachada do conjunto foi tombada pelo Conselho Estadual de Cultura. A igreja continua celebrando cultos e a antiga residência, totalmente descaracterizada, abriga atualmente a escola municipal São Vicente de Paulo. No local da antiga capelinha funcionou parte do seminário arquidiocesano hoje casa central dos Milicianos de Cristo (ramo masculino).

Conteúdo - publicações impressas do Instituto Goia

eventos


O Grupo de Música Antiga da Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) realizou segunda-feira (09), às 19 horas, uma apresentação na Igreja do Carmo, na Cidade Alta, em Vitória.

O Grupo de Música Antiga da Fames tem como objetivo apresentar ao público a Música Barroca e Renascentista, num ideal sonoro sofisticado e virtuoso. Para essa apresentação o repertório foi composto por músicas brasileiras e européias dos séculos XVII, XVIII e XIX.

Informações à Imprensa
Assessoria de Comunicação da Fames
Daniela Ramos / Zu Coelho
daniela.ramos@fames.es.gov.br / zu.coelho@fames.es.gov.br
3636-3611




Ao lado fotos das apresentações do coral da medalha milagrosa. A última postagem é da apresentação do coral na solenidade de pentecostes 2014



 Casa de formação Maria Mãe de Deus e Casa central dos Milicianos 

Residência do Superior Geral e Irmãos Religiosos

O Governo do Instituto está localizado na cidade de Vitória, capital do Espírito Santo, que corresponde ao território da Arquidiocese de Vitória, sob a autoridade de Dom Dario Campos, ofm

 

Para viver o nosso Carisma do Acolhimento
fundamentado em Mt 11, 28:


“Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei”, nossa prioridade não é assumir Paróquias e sim Obras Sociais afins ao nosso Carisma:

 


Rua: Coronel Monjardim, 150 centro
Cep: 29015.500 Vitória - ES
Construção anexa à reitoria


ATUAL RESPONSÁVEL: Padre Reuber Côgo 


DEMAIS MEMBROS:

Padre Clesio
Frei Jonilson 

 


Compartilhe